Previsão de estiagem severa deve prejudicar geração em hidrelétricas

A estiagem prevista para o segundo semestre deve ser a mais severa em quase um século. O baixo volume dos rios prejudica a geração de energia nas usinas hidrelétricas e dificulta o transporte hidroviário, usado para escoar grande parte da produção do agronegócio. Entre as medidas emergenciais adotadas pelo Ministério de Minas e Energia estão o lançamento de campanhas para incentivar a economia e evitar o desperdício de água e luz. O secretário de Energia Elétrica do ministério, Christiano Vieira, citou as medidas preventivas que o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico adota desde outubro do ano passado. Essas medidas vão pesar na conta de luz. O secretário Christiano Vieira estima que o custo adicional até o fim deste ano seja de R$ 9 bilhões, o que equivale a 4,6% de toda a receita do setor elétrico. Nessa terça-feira, a Agência Nacional de Energia Elétrica reajustou em 52% o valor da bandeira vermelha dois na conta de luz. Subiu de R$ 6,24 para R$ 9,49. O ex-integrante do Conselho Nacional de Política Energética e professor do departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília, Ivan Camargo, avaliou que o encarecimento da energia é uma forma eficiente de reduzir o consumo imediatamente. Mas Ivan Camargo alerta que é importante pensar também em medidas de longo prazo, para evitar que essa situação volte a ocorrer. Ainda de acordo com o especialista, a retomada da atividade econômica criou a expectativa de aumento no consumo de energia neste segundo semestre, após seis anos de estabilidade. O Ministério de Minas e Energia articula, com outras entidades públicas e privadas relacionadas, o lançamento de um programa para alterar o horário de picos de consumo. A ideia é que a adesão seja voluntária e, antes de entrar em vigor, a proposta passe por uma consulta pública.

Edição: Raquel Mariano/Edgard Matsuki

Publicado em 30/06/2021 – 09:07 Por Victor Ribeiro – Repórter da Rádio Nacional – Brasília

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *